8 maneiras de ganhar dinheiro como nômade digital

Se você já decidiu que vai colocar o pé na estrada e ganhar dinheiro enquanto conhece novos lugares e culturas, aposto que uma das principais dúvidas na sua cabeça é: “como ganhar dinheiro sendo um nômade digital?”

Essa pergunta é crucial e, a menos que você seja um expert super requisitado em alguma área, aí vai uma dica preciosa: pense em múltiplas fontes de renda. Isso mesmo. Pense em aproveitar habilidades diversas para capitalizar. Se você é bom em texto, não precisa necessariamente tentar se manter na estrada apenas escrevendo blog posts e e-books. Pode revisar, editar, criar roteiros e transcrever. Lembre-se que você pode fazer cursos online enquanto viaja e tudo isso pode virar grana depois para pagar as contas.

Aliás, investir em cursos é uma obrigação. Profissionais defasados não conseguem bons jobs e imprevistos sempre acontecem, então… tente poupar também.

Aqui vão algumas dicas de trabalhos que você pode executar de qualquer lugar do mundo, desde que disponha de uma boa internet e domine algumas ferramentas digitais (e físicas).

mulher estudando pela internet

1 – Dar aulas online   

Você pode ensinar idiomas ou outros conhecimentos utilizando ferramentas como Skype e Zoom ou utilizar plataformas de ensino. Se você é craque em TI, produtividade, desenvolvimento pessoal, fotografia ou marketing digital, por exemplo, pode oferecer aulas em portais como a Udemy. Este tipo de plataforma paga uma porcentagem do valor de venda do curso para o “professor”ou facilitador. 

homem criando logotipo

2 – Atuar como designer e/ou ilustrador

Toda boa empresa que se preze leva o design de sua marca e de seus produtos a sério. Prepare-se para disputar jobs em um mercado altamente concorrido, seja para a produção de materiais offline ou online. Além de ter um portfolio de responsa em um site próprio, cadastre-se em sites de freeelancers, o que amplia suas chances de ser encontrado.

Caso você também seja ilustrador, fique atento às demandas de editoras, que procuram profissionais originais e com bastante conhecimento técnico para agregar valor a algumas obras.

mulher desenvolvedora web

3 – Criar sites ou aplicativos

Esta opção também é altamente requisitada e valorizada em todo o mundo. Programadores e desenvolvedores, principalmente os que possuem especialização em UX e UI encontrarão um vasto mercado a ser explorado, seja na criação de sites ou aplicativos. Esta é uma das atividades dentro da lista em que os bons profissionais podem conseguir se manter sem precisar recorrer a jobs em outras áreas.

As demandas podem surgir como criação, atualização ou manutenção de produtos digitais. Portfolios e certificações recentes fazem toda a diferença para os empregadores.

garoto com cachimbo escrevendo em máquina

4 – Produzir conteúdo

Este tópico aborda todo tipo de conteúdo, de textos a vídeos. Com a valorização do inbound marketing, cada vez mais as empresas têm procurado criativos que se destaquem na produção de textos, infográficos, fotografias, vídeos e animações, só para citar alguns exemplos. Vídeos e fotografias podem ser vendidos para bancos de imagens e os autores recebem uma porcentagem toda vez que um de seus arquivos é baixado.

Ah! Não vamos esquecer também das demandas para tradução e transcrição, que pipocam aos montes nos sites de freelas.

5 – Atuar como consultor, coach ou mentor

Muita gente confunde os três papéis, todos exercidos por especialistas em alguma área, mas é preciso ficar atento às diferenças para saber onde você se encaixa no seu atual momento como nômade digital.

Consultor: o objetivo é atender a necessidades específicas do cliente, desenvolvendo e, caso necessário, implantando estratégias em busca de melhores resultados.  

Coach: em um processo de coaching, são utilizadas metodologias cientificamente validadas para desenvolver competências de um indivíduo ou grupo que deseja alcançar metas claras ou melhorar sua performance pessoal ou profissional.

Mentor: a mentoria ou mentoring é uma espécie de aconselhamento, feita por profissionais experientes em alguma área, que visam ajudar pessoas que estão iniciando uma carreira ou acabam de ocupar um novo cargo e sentem-se inseguras.

Em todos os casos, a cobrança costuma ser feita por hora ou por pacote de sessões.

6 – Investir no e-commerce 

Dropshipping é uma modalidade de e-commerce em que o estoque e o envio dos produtos vendidos (roupas, cosméticos, eletrônicos) fica por conta do fornecedor. O que você precisa fazer é criar uma loja virtual e divulgar os produtos. Nem todo nômade digital tem a disciplina e o dinheiro necessário para acompanhar a movimentação do negócio e o dinheiro para investir em publicidade, mas a maioria considera esta atividade.

7 – Trabalhar com marketing digital

Nesta lista, atualmente este é um dos mercados mais promissores. Atualmente, não se fala em outra coisa a não ser marketing digital. Se você é um nômade digital capacitado nesta área, será disputado a unhas e dentes pelas empresas. Entre os serviços mais solicitados estão:

  • Gestão de mídias sociais
  • Gestão de campanhas de mídia paga (Google Ads, Facebook e Insta Ads)
  • SEO
  • Monitoramento e análise 
  • Criação de sites e blogs
  • Inbound marketing

Se você for fera mesmo, experimente oferecer consultorias e desenvolvimento de planejamentos de marketing completos.

8 – Atuar como blogger, youtuber e influenciador digital

Em último lugar, temos uma das atividades mais antigas dos nômades digitais: capitalizar a partir de blogs ou mídias sociais. Basicamente é preciso escolher um nicho e produzir conteúdo contínuo e de qualidade sobre ele. Quanto mais gente acessa seu canal, mais dinheiro você ganha com publicidade. Você pode acabar se tornando um influenciador digital e receber para divulgar produtos ou serviços.

Existem dezenas, talvez centenas de outras atividades remuneradas além destas. Uma última dica para finalizar: elabore contratos antes de começar qualquer trabalho e cheque o câmbio da moeda escolhida. Infelizmente, é fácil achar um nômade digital em qualquer lugar do mundo com alguma história que envolva problemas no pagamento e até calotes virtuais. Mas isso é assunto para outro post que você vai poder conferir em breve.

E ai, o que achou da nossa lista? Você já presta um ou mais serviços listados aqui? Tem vivido como nômade digital e quer compartilhar alguma história? Conte pra gente!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *